Home     Sobre o Portal     Seções     Equipe     Links Úteis     Cadastre-se     Fale Conosco     Galeria de Fotos      Vídeos
Presidente Prudente,
CidadesPolíticaEducaçãoEsporteGastronomiaEntretenimentoBrasil & MundoPopularVídeos
 
 
Torturador - 14/08/2012 (4:20)
Justiça de São Paulo mantém decisão que declarou como torturador o coronel Brilhante Ustra
Por: Agência Brasil
O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve hoje (14) a decisão de 2008 que declarou o como torturador o coronel da reserva Carlos Alberto Brilhante Ustra. Por 3 votos a favor e nenhum contra, os desembargadores negaram recurso contra a sentença de primeira instância da 23ª Vara Cível de São Paulo que responsabiliza o militar pelas torturas cometidas no Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi). O centro, que funcionava próximo ao Parque Ibirapuera, na zona sul paulistana, foi comandado por Ustra entre 29 de setembro de 1970 e 23 de janeiro de 1974.

Os autores da ação, Maria Amélia Teles, o marido César Augusto Teles e a irmã Crimeia de Almeida foram presos em 1972 e torturados no DOI-Codi. “Eu acredito que a decisão fortalece a iniciativa da Comissão Nacional da Verdade, o governo no sentido de implementar a sentença de localização dos desaparecidos do Araguaia e nomear os agentes do Estado responsáveis pelos crimes imprescritíveis de lesa humanidade”, disse Maria Amélia.

Para um dos advogados da família Teles, Aníbal Castro de Sousa, a decisão demonstra que existem sanções possíveis aos agentes do Estado que cometeram crimes durante a ditadura militar (1964-1985). “Parecia que esses torturadores estavam imunes ao Judiciário, e não é verdade”, destacou.

Também responsável pela defesa da família, Fabio Konder Comparato, ressaltou que, de acordo com jurisprudência internacional, a Lei de Anistia de 1979 não impossibilita a punição de crimes como o de tortura. “Todos os tribunais de direitos humanos no plano internacional são unânimes em afirmar que crimes como esses, cometidos durante o regime militar, são insuscetíveis de anistia, são crimes contra a humanidade”, disse. Para ele, a decisão de hoje abre espaço para que outras ações semelhantes sejam bem-sucedidas.

O advogado do coronel Ustra, Paulo Esteves declarou que entrará com um embargo de declaração no TJSP. Ele sustenta que o tribunal deve se posicionar claramente sobre quem tem a competência para declarar que agentes do Estado foram torturadores. Segundo Esteves, essa é uma atribuição exclusiva da Comissão Nacional da Verdade.

 
 
Listar todas de "Política"
 
mais lidas
Dilma - 22/08/2012
Dilma é a 3ª mulher mais poderosa do mundo pelo segundo ano consecutivo
Eleições 2012 - 04/08/2012
Número de eleitores com 16 e 17 anos supera eleição de 2010
Segurança no Trânsito - 24/08/2012
Fittipaldi e presidente da FIA apresentam campanha de segurança do trânsito a Dilma
Título de Eleitor - 26/04/2014
Eleitor tem até o dia 7 de maio para tirar título
Cotas - 07/05/2014
Aprovada na CCJ do Senado, cota para negro em concurso pode ir a plenário
últimas notícias
EUA/Brasil - 19/03/2017
Trump telefona para Temer e deixa canal direto de diálogo
Caixa 2 é Corrupção - 19/03/2017
Caixa 2 ou Corrupção? Saiba a diferença entre os crimes investigados pela Lava Jato
Contra corrupção - 05/12/2016
Juízes e promotores fazem ato em Prudente nesta segunda contra a corrupção e apoio à Lava Jato
Brasília/STF - 11/05/2016
Teori nega pedido para suspender instalação do processo de impeachment de Dilma
Impeachment - 09/05/2016
Renan vai rejeitar decisão sobre impeachment na Câmara, diz Randolfe
 
 
PORTAL NO PONTAL
O Portal de Notícias do Pontal do Paranapanema
contato@nopontal.com.br
• Cidades • Política
• Educação • Esporte
• Gastronomia • Entretenimento
• Brasil & Mundo • Popular
• Vídeos
nos acompanhe
criado e desenvolvido por
Fabricio Modafaris
NO PONTAL • O Portal de Notícias do Pontal do Paranapanema © 2018 - Copyright | Melhor visualizado em 1024px / 768px